Escrito em 31 de jul de 2014

Combata o mau-humor com atividades físicas

Categorias: Longevidade, Sua Saúde    Autor: Dr. Ricardo Nahas   
 

shutterstock_141946549

Pode reparar: não é difícil apontar em seu círculo de amizades uma pessoa que deixou de ser sedentária para se tornar uma grande entusiasta de atividades como corrida ou ciclismo. O motivo é simples. Além dos diversos benefícios já conhecidos, exercícios físicos agem diretamente sobre nosso humor – de forma positiva, é claro!

A prática constante de atividades de intensidade moderada aumenta o nível de neurotransmissores liberados na corrente sanguínea, dentre eles dopamina, endorfina e serotonina, responsáveis pela sensação de bem-estar.

Com a liberação imediata de endorfina logo nos primeiros minutos de exercício, o mau-humor é o primeiro sintoma negativo a desaparecer, mas não o único. Quando realizamos atividades mais intensas, o sistema nervoso secreta uma dose maior de dopamina e serotonina, substância que tem efeito antidepressivo – e justamente por isso está presente na composição de alguns remédios ansiolíticos, com a vantagem de ser gratuito.

Mas os benefícios não param por aí: os efeitos da endorfina persistem após a prática do esporte. Considerado um analgésico natural, esse neurotransmissor combate dores no corpo e tem um efeito que chega a durar 12 horas. Então, se seu objetivo é ter um dia de muita disposição física, a dica é se exercitar assim que sair da cama!

No entanto lembre-se: para esses benefícios acontecerem, o ideal é praticar o mínimo de 30 minutos de atividades aeróbicas de três a cinco vezes por semana, sem deixar de lado o acompanhamento profissional. Se você ainda é um iniciante, comece com atividades mais leves, evoluindo aos poucos. Assim, você verá que o mundo não é tão cinza quanto parecia!

Dr. Ricardo Nahas, médico do Esporte e coordenador do Centro de Medicina do Exercício e do Esporte do Hospital 9 de Julho.

 
Escrito em 24 de jul de 2014

Falta energia para as atividades do dia a dia? Algumas dicas para se sentir mais disposto

Categorias: Longevidade, Sua Saúde    Autor: Hospital 9 de Julho   
 

shutterstock_84412720

A rotina de trabalho, estudos e exercícios parece ser mais extensa que o nosso tempo disponível, não é mesmo? Não existe remédio milagroso para aumentar nossa disposição, mas algumas atitudes podem fazer a diferença no dia a dia, como as do texto de hoje:

Crie condições para acordar disposto

O primeiro passo para um dia cheio de energia é levantar da cama assim que o despertador tocar. Se você tem dificuldades para acordar, uma boa dica é deixar a luz do dia entrar no quarto, abrindo todas as janelas. Isso ajuda a sinalizar para seu corpo que já é um novo dia.

Alimente-se bem

O café da manhã é muitas vezes posto de lado por quem sai atrasado para um compromisso. Mas é neste momento, após horas de sono e sem alimentação, que precisamos repor nutrientes para começar o dia com bastante energia.

Pular esta refeição pode comprometer o desempenho intelectual e a capacidade de raciocínio, além de aumentar o apetite em outros horários do dia. Várias evidências mostram que quem consome um bom café da manhã tem menos predisposição para ganho de peso ao longo da vida. Além do café, que é um estimulante natural, aproveite para incluir fibras, proteína e grãos integrais na refeição.

Pratique exercícios

Se você é do tipo que reclama da falta de disposição pela manhã, começar a se exercitar pode ser justamente o que seu corpo precisa. Atividades aeróbicas de leve intensidade três vezes por semana podem reduzir a fadiga e aumentar o vigor para o restante do dia. Essas atividades aceleram o metabolismo e liberam serotonina, o hormônio do bem-estar. O mais difícil, acredite, é começar!

Movimente-se

A rotina na maior parte dos escritórios resume-se a passar o dia sentado à mesa. Essa inércia acaba nos fazendo sentir mais cansaço. Diversos estudos sugerem que passar mais de duas sem se levantar uma única vez pode aumentar o risco de doenças. Ou seja, não é só o exercício que faz bem; é o sedentarismo completo que faz mal.

Durma bem

Chegamos ao fim do dia, mas ainda há um passo importante na busca por mais energia: o sono reparador. Para isso, desligue-se do trabalho. Nada de deitar com o notebook no colo ou acompanhar o noticiário enquanto se prepara para deitar. Essas ações estimulam a atividade cerebral e inibem a produção interna de melatonina, o hormônio que sinaliza ao corpo que é noite. Um ambiente totalmente escuro e silencioso é fundamental para a qualidade do sono.

Aproveite as orientações e viva mais disposto!

Se mesmo com todas estas medidas você ainda se sente cansado, é importante procurar avaliação médica.

Dr. Bruno Halpern, endocrinologista do Hospital 9 de Julho

 
Escrito em 18 de jul de 2014

Ter amigos afasta doenças e te faz viver mais

Categorias: Longevidade, Sua Saúde    Autor: Dr. Marcelo Levites   
 

amigos

Ao lembrar dos amigos, lembramos dos melhores momentos que vivemos e percebemos a diferença que fazem em nossa vida. E fazem mesmo. É cientificamente comprovado que a sociabilidade nos faz viver melhor e por mais tempo.

Vários estudos já foram realizados ao longo dos anos, em diversas universidades do mundo, para investigar a influência dos amigos na saúde de nossa mente e corpo. E as conclusões são muito positivas.

Mente sã

Na área da psicologia, estudos apontam que cultivar um círculo de amigos é uma forma eficaz de manter a depressão afastada em qualquer fase da vida. A baixa autoestima, a ansiedade e o estresse também são combatidos pela presença de um amigo fiel por perto, colaborando para nos deixar mais otimistas e maduros.

Quando nos afastamos geograficamente da família, seja para estudar ou trabalhar em outra cidade ou país, a formação de novos vínculos é essencial para mantermos o equilíbrio mental.

Outra pesquisa realizada com dois mil idosos, pela Universidade VU, em Amsterdã, apontou uma relação direta entre o sentimento de solidão e o desenvolvimento de doenças degenerativas como o mal de Alzheimer. O estudo concluiu que aqueles com mais laços de amizade eram menos expostos a esse risco.

Corpo são

Livres da depressão, temos uma tendência a adotar um estilo de vida mais saudável – com dieta equilibrada e atividades físicas regulares – o que impacta positivamente na saúde de nosso corpo, ou seja, as amizades podem proteger contra o sedentarismo e a obesidade.

Mas os benefícios de uma amizade não param por aí. Um estudo da Universidade de Columbia, nos EUA, conduzido ao longo de 10 anos concluiu que as emoções positivas geradas pelos vínculos afetivos são responsáveis por reduzir em até 22% o risco de desenvolvermos doenças cardíacas. Esses mesmos sentimentos são capazes de induzir o organismo a melhorar o sistema imunológico, mantendo diversas doenças afastadas.

Os objetos de estudo das pesquisas podem ser diferentes, mas há um ponto em comum entre todos: o impacto positivo das amizades na longevidade.

Que tal aproveitar o Dia do Amigo para estreitar ainda mais seus laços de amizade?

Dr. Marcelo Levites, médico de Família e coordenador do Programa Longevidade, do Hospital 9 de Julho.

 
Escrito em 10 de jul de 2014

Dia Nacional da Saúde Ocular: detecção precoce evita perda de visão

Categorias: Sua Saúde    Autor: Dr. Juan Tinajeros   
 

Ray-CharlesRay Charles (1930 – 2004) é considerado um dos maiores gênios da música norte-americana. Dono de uma voz inconfundível e exímio pianista, ele foi um dos pioneiros da música soul e do Rhythm & Blues. Seu desenvolvimento como músico ocorreu após ser acometido por uma cegueira cujas causas nunca foram totalmente identificadas, mas alguns médicos apontam que o agente mais provável tenha sido um glaucoma tardiamente diagnosticado.

Hoje, 10 de julho, comemoramos o Dia Nacional da Saúde Ocular, data criada com o intuito de conscientizar a população sobre a necessidade de se adotar hábitos preventivos para a saúde dos olhos, como a visita regular a um oftalmologista. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, 75% dos casos de cegueira no mundo resultam de causas que poderiam ter sido identificadas e tratadas.

Ser avaliado regularmente é uma medida simples que ajuda a identificar doenças que podem levar a complicações sérias, inclusive à cegueira, como a catarata, retinopatias, ceratocone, tracoma e os diversos tipos de glaucoma.

A catarata (lesão que torna opaco o cristalino, lente interna do olho) é considerada a maior causa de cegueira evitável no mundo, cerca de 48% dos casos de perda de visão e que um a cada dois idosos venha a desenvolver o problema. Mas engana-se quem pensa que apenas idosos sofrem desta condição: alguns casos têm sido registrados em adultos jovens.

O glaucoma, caracterizado pelo aumento da pressão intraocular, também é tido como uma das principais causas da cegueira irreversível. Este é um caso que exemplifica muito bem a necessidade de detecção precoce, já que em seu início, a doença é assintomática e a perda progressiva da visão começa a ocorrer apenas em um estágio mais avançado.

Algumas condições que alteram a visão como miopia, hipermetropia e astigmatismo podem ser identificadas desde o nascimento ou muito cedo na infância, quando as crianças ainda são incapazes de perceber irregularidades em sua visão. A partir da adolescência e até o fim da idade adulta os cuidados devem ser intensificados, já que nessa idade esses quadros tendem a progredir e apresentar algumas alterações naturais.

Dr. Juan Tinajeros, oftalmologista do Hospital 9 de Julho

 
Escrito em 03 de jul de 2014

Com as férias, aumentam casos de acidentes domésticos: saiba como proteger seus filhos

Categorias: Trauma    Autor: Dr. Renato Poggetti   
 

shutterstock_102674075

Férias de meio de ano são um momento muito aguardado pelas crianças. Com o recesso escolar, elas finalmente terão todo o tempo livre para brincar e se divertir. Mas atenção: enquanto este período significa alívio para os pequenos, para os pais, o trabalho está apenas começando.

E o motivo é simples. Apesar de serem comuns durante todo o ano, acidentes domésticos envolvendo crianças tendem a aumentar muito durante as férias e são, de acordo com dados do Ministério da Saúde, a principal causa de morte de crianças de até nove anos.

Enquanto bebês e crianças menores estão mais sujeitas a envenenamento, intoxicação, asfixia e afogamento, os acidentes que envolvem queda, atropelamento e traumas são comuns a todas as idades.

Dados oficiais do SUS apontam que 50% dos casos registrados em atendimento de emergência a crianças foram provocados por quedas; a maioria deles, 69%, causados dentro de casa. Sempre digo que as estatísticas poderiam ser menores com medidas simples de segurança. Aqui vão algumas orientações que podem tornar as férias ainda mais seguras e tranquilas:

  • Não permita brincadeiras em escadas e lajes;
  • Instale tela de segurança em janelas (inclusive de sobrados);
  • Mantenha móveis e cadeiras longe de janelas;
  • Proteja quinas de móveis;
  • Use tapetes antiderrapantes;
  • Mantenha grades de proteção em escadas e beliches;
  • Vista seu filho com equipamento de segurança ao andar de bicicleta, patins ou skate;
  • Não o deixe brincar na rua sem supervisão, sob o risco de atropelamentos;
  • Transporte sempre seus filhos no banco de trás, com o cinto de segurança, e use um assento adequado para bebês.

Mesmo com todas as precauções, alguns acidentes podem acontecer. Nesses casos, o ideal é levar a criança a um serviço de emergência para avaliação, mesmo que não haja sintomas aparentes de lesões graves.

Dr. Renato Poggetti, cirurgião e coordenador do Centro de Trauma do Hospital 9 de Julho.

 
Página 1 de 7212345678910...203040...Última »